Muito além das cartas – parte I

Como havia comentado no post anterior, irei dedicar alguns dias desta semana para abordar a violência contra a mulher. Dividirei com vocês uma matéria que produzi lá em 2009, quando ainda cursava jornalismo na Pucrs. O tempo passou, eu sei, mas, infelizmente, o assunto não envelheceu.

*********

Muito além das cartas

Luciana caminha sob o sol forte do meio-dia de uma quarta-feira, no bairro Cohab B, em Gravataí. Com passos largos e rápidos, deposita cartas quase que automaticamente em caixas de correspondências. Falante, a carteira resiste bravamente perder o resto do fôlego que lhe resta enquanto conta histórias sobre mordidas de cachorro, família e endereços.

Os quatro anos de profissão garantiram à Luciana da Rosa de Souza inúmeras histórias. “As pessoas consideram a gente como alguém de casa, sabe? Já teve quem me atendeu só de calcinha”, conta a carteira, acostumada com atitudes que denotam a confiança dos clientes.

Entre lingeries expostas, convites para almoço, abrigo para chuva e copo d’água, Luciana também é convidada a conhecer parte de uma realidade covarde, mas ainda comum nos lares: a violência doméstica. A sensibilidade feminina permite que ela e outras duas colegas do Centro de Distribuição Domiciliar (CDD) de Gravataí percebam a existência de uma vítima de agressão. Por essa habilidade que Luciana leva no peito, além do crachá dos Correios, um boton lilás destaca sua segunda função: Promotora Postal de Cidadania (PPC).

O trabalho, que é pioneiro no Brasil, foi criado a partir de uma situação vivenciada por uma carteira, que ligou chocada para o RH da instituição após ter presenciado uma agressão durante uma das entregas. A carteira foi orientada a fornecer um número de telefone (180) que orienta vítimas de violência. Depois de algum tempo, ao reencontrar a carteira, a vítima agradeceu a ajuda, dizendo ser de grande valia.

Baseada no resultado, a Coordenadoria de Clima Organizacional dos Correios junto a instituições que atuam na área, resolveram criar um grupo que pudesse auxiliar mulheres vítimas de agressão familiar. O projeto iniciou em 2007, mas o curso de formação de promotoras postais teve a primeira turma em novembro de 2008 quando professores, delegados e representantes de órgãos defesa à mulher realizaram palestras com o apoio de vídeos, filmes e documentários.

A coordenadora de clima organizacional e assessora de relações sindicais dos Correios, Francisca Santos da Silva, esclarece que as promotoras postais não se envolvem com o problema, apenas informam, dão apoio, encaminham e amparam as mulheres.

O projeto das promotoras postais, hoje existente em Porto Alegre e na Região Metropolitana, pretende se expandir ao interior do Rio Grande do Sul. Correspondências já foram enviadas às regiões operacionais para que indiquem carteiras destinadas à função.

 

Para carregar no peito o boton de Promotora Postal, a carteira deve fazer uma pré-seleção. Nela, é analisado o perfil da profissional. A medida é tomada para impedir, por exemplo, que uma profissional vítima de agressão participe e se envolva demasiadamente na ocorrência.

Não é o caso de Luciana, que desde dezembro de 2008 assumiu a função. Ela reconhece, no entanto, que é inevitável que haja um envolvimento. A acessibilidade do contato feito com as vítimas é facilitada pela informalidade.

É por motivos semelhantes que a carteira e estudante de Letras, Josiane Assis de Azevedo, de 25 anos, acredita que o trabalho de orientação torna-se mais viável. Ela diz que a informalidade da abordagem facilita a prevenção à violência: “Existem muitas ONG’s e associações que atuam na área de agressão doméstica, mesmo assim, não são todas as mulheres que procuram. Nós já estamos mais próximas da mulher, entregamos quase diariamente correspondência a elas. Existe uma confiança maior. Entramos onde a polícia não entra”. E é justamente através de conversas que as histórias de humilhações e sofrimento chegam às promotoras postais. “Elas falam muito! Contam toda a vida para a gente”, dizem as carteiras.

A importância do trabalho se destaca ainda mais quando o contato é feito com mulheres de baixa renda. “Muitas pessoas não têm conhecimento de seus direitos. A gente passa na rua e vê muita coisa. Você bate para entregar a correspondência e escuta gritos, é filho sendo espancado, a mulher sendo agredida…nossa…é muita coisa. Ficamos em estado de choque. Antes não sabíamos o que fazer e nem a gente tinha esse conhecimento”, diz Josiane.

*****

Amanhã, a matéria vai mostrar alguns motivos que fomentam tanta reincidência nos casos de violência doméstica.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s